(des)Investigação em Ciência da Informação e Documentação

No III Encuentro Ibérico de Docentes e Investigadores en Información y Documentación a decorrer na Facultad de Tradución y Documentación da Universidad de Salamanca (5 a 7 de Maio), alguns investigadores têm posto a tónica numa certa indefinição das linhas de investigação em biblioteconomia e documentação nos países participantes neste evento.

Existe uma pulverização de cursos, títulos, imprecisão em torno de conceitos que propicia o desenvolvimento de projectos de investigação pouco sólidos e eventualmente fora do âmbito da área. Este quadro vê-se agravado por uma incipiente investigação, sobretudo em Portugal, onde se dão os primeiros passos.

Os apelos, saídos das discussões, foram no sentido de:

  • reposicionar os temas de investigação na área,
  • integrar a investigação em todos os graus,
  • aumentar a produtividade com mais publicações e de melhor qualidade,
  • planificar claramente as investigações, procurando financiamento e visibilidade,
  • aumentar a colaboração na investigação,
  • integrar os alunos de investigação em equipas e comunidades.

Foram mencionados sobretudo os perigos das “modas”, caso da bibliometria e cienciometria, uma ínfima parte da área de investigação, que tem absorvido muitas atenções e deixado na sombra a restante temática. Uma tendência que tem o efeito perverso de distorcer a realidade da investigação daquilo que deveria ser com prejuízos imediatos, mas também com consequências a largo prazo, porque a investigação necessária em temas nucleares deixa de se realizar.

Participação versus utilização

Uma das questões abordadas na Formação SEDIC foi a participação dos utilizadores em iniciativas Web 2.0 O próprio blog é prova de que a participação é reduzidíssima (10 a 30 comentários por post) se contarmos o número de inscritos. A realidade da fraca participação não deve ser tomada  como um fracasso do blog ou como uma iniciativa que não interessa aos profissionais a que prioritariamente se dirige. Também se deve ter em conta a quase falta de tradição de iniciativa privada e participação do cidadão em países como Portugal e Espanha.

Se a participação é baixa, não duvido que o blog e a wiki em si não sejam e não venham a ser ferramentas de referência para a profissão, quer pela familiaridade dos temas, quer pela selecção dos recursos e pela ênfase em casos práticos ou ainda pela extensão geográfica da comunidade que serve e de que se alimenta.

Apesar de compreender a fraca participação, creio que seria um indicador muito positivo que os profissionais da documentação e da informação se mostrassem ligeiramente mais participativos que o cidadão comum. Não tenho dúvidas que muito mudaria, não tanto pelos conteúdos comunicados, mas pelo facto de haver mudança na atitude.

Mais un blog

Estou inscrita na formação sobre Web 2.0 do SEDIC. Uma oportunidade para 1500 profissionais conhecerem e experimentarem a web social e trocarem experiências e ideias de como integrar novas ferramentas e mudar práticas na sua actividade. Esta formação tem objectivos inéditos e bastante ambiciosos. A ideia é lançar as bases para criar uma comunidade com e para os profissionais da informação e documentação. A ideia é levar os profissionais, ou aspirantes a profissionais como eu, a dinamizar um espaço que seja útil a todos pela troca gerada.

Por ora, temos de criar um blog, por isso surgiu o Camorim’s Weblog. Espero poder reflectir sobre as mais diversas questões ligadas à actividade. Não será fácil, porque me faltam experiência e maturidade. Mas procurarei comentar aqui o que vou compreendendo deste mundo em mudança.