Feeds, um mecanismo indispensável

Dada a imensidão de fontes de informação na Internet e a rapidez da renovação dessa informação, surgiu um mecanismo extremamente útil e versátil, que uma vez experimentado, não se dispensa mais. Falo dos Feeds, palavra em inglês para designar um conjunto de dados transferidos de máquina para máquina de forma automática, sem que seja necessária a intervenção humana.

O ícone genérico para esta funcionalidade é o do RSS .

Vantagens no uso dos feeds

Simplificar a actualização da informação que nos interessa é já um argumento de peso para usar feeds. Mas as vantagens não ficam por aí. Veja-se a lista de benefícios:

  • selecção pessoal das fontes de informação
  • recepção das novidades logo após publicação
  • proliferação de programas de leitura de feeds, havendo-os para todos os gostos
  • gestão simples das fontes: acrescentar, remover, organizar
  • protecção contra spam, vírus, etc., ao contrário do que acontece com as subscrições por email
  • gestão mais saudável do email, que não é inundado por “novidades”

Funcionamento dos feeds

Este mecanismo assenta na arquitectura servidor/ cliente. Isto é, o fornecedor de conteúdos —em geral um jornal, um autor de blog— disponibiliza um endereço que o utilizador final pode subscrever sem custos. Utilizando um programa de feeds, a pessoa copia essa direcção do jornal ou blog para a lista pessoal de feeds. Nesse mesmo instante, as últimas notícias são carregadas no seu programa e daí em diante isso far-se-á automaticamente, sem que o interessado tenha que digitar o endereço no navegador e incomodar-se a verificar se há novidades.

A tecnologia por detrás é conhecida por Pull Technology, já que o programa escolhido de feeds é que puxa as novidades do servidor onde estão alojados os conteúdos para difusão.

Neste vídeo divertido da Common Craft são apresentadas as vantagens e o princípio de funcionamento.

Soluções para ler feeds

Os feeds tornaram-se tão essenciais na Rede que o seu uso estende-se a todas as aplicações e ferramentas da web. Enumero as principais, embora haja variantes.

1. Páginas web personalizadas. Os feeds podem ser introduzidos naquilo que ficou conhecido por página de entrada na Web. É o caso do iGoogle, do PageFlakes, do Netvibes, do My Yahoo ou My MSN. Qualquer destas aplicações dispõe da opção de acrescentar conteúdo novo. Na imagem, pode-se ver essa opção no Netvibes. É uma forma muito prática, porque assim que nos conectamos, temos oportunidade de consultar as novidades dos serviços que subscrevemos. É muito fácil acrescentar novos feeds, mas também remover, quando concluímos que afinal não nos interessam.

2. Leitores de feeds na web. Serviço em que a pessoa se regista e acede quando quer ler os seus feeds. Caso do Bloglines, Google Reader. Permitem ler, importar e exportar feeds em ficheiro XML, partilhar feeds com amigos, organizá-los por categorias em estrutura de árvore, associar etiquetas, etc. Na imagem podemos ver o Google Reader que não difere muito de outras ferramentas.

3. Feeds nos navegadores. Qualquer navegador – Firefox. Internet Explorer, Safari…, dá a possibilidade de incluir feeds. Em geral, essa funcionalidade está disponível nos Favoritos. O procedimento no Firefox requer que visitemos a janela dos Marcadores. Uma das opções é “Subscrever a esta página”, precisamente a que surge na caixa do navegador e está indicada com o ícone de Feeds.

4. Programas de email. Outra opção de gerir os feeds é através do Outlook, Thunderbird, Kontact, etc. São em geral suites formadas por aplicações PIM (Personal Information Management), tais como gestor de correio, gestor de contactos, calendário, gestor de feeds. Apresento na imagem o Kontact, usado com o Linux. À semelhança de outros, oferece um serviço de gestão de feeds, neste caso, o AKgregator.

Formato dos feeds

O formato mais comum é o RSS (Really Simple Syndication), mas também existe  o Atom (Atom Syndication Format). A base de ambos é o XML e/ou o RDF/XML.

Em termos cronológicos, o RSS antecedeu o Atom, por isso é frequente designar a sindicação de conteúdos em geral por RSS. No entanto, o aparecimento do formato Atom veio na sequência da falta de interoperabilidade e falhas no RSS. O Atom é mais robusto e versátil, porque usa a estrutura de metadados RDF. Assim, quando existe a opção de subscrever nos dois formatos, é preferível eleger o Atom.

Há serviços e serviços…

Serve este capítulo para referir que os serviços de actualização são criados pelos fornecedores desses conteúdos, que estão obviamente interessados em que as pessoas os leiam, os refiram e os difundam em blogs, websites, etc.

Há-os especificamente para textos, mas também para podcast. Começa agora a aparecer o RSS-narrator, um tipo de feed com o mesmo objectivo geral, mas com a particularidade de converter o texto em voz. O utilizador não lê, mas ouve as novidades, algo bastante prático quando se conduz para o trabalho. Veja-se o caso do Talking News que além de usar os podcasts disponíveis nos media seleccionados, converte igualmente texto em audio.

Acontece que há serviços de Feeds que permitem uma selecção mais refinada da informação pretendida. Nos dois jornais de referência escolhidos, o Expresso e o El País, pode ver-se a diferença e o impacto na qualidade do serviço para o utilizador final.

Graças aos filtros disponibilizados pelo jornal El País, foi possível introduzir na “Agulha no palheiro” as 10 últimas notícias na área da tecnologia, sendo a área que sigo atentamente e que está relacionada com a temática tratada neste blog. Desta lista de apontadores, os leitores podem consultar alguma notícia que lhes desperte curiosidade.

2 thoughts on “Feeds, um mecanismo indispensável

  1. Obrigada pelo elogio. É sempre difícil escolher temas que interessem a um grupo amplo de pessoas e tragam algo que lhes seja verdadeiramente útil.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s