A vaga das App Stores

Este post versa sobre um tema com bastante visibilidade e alvo de concorrência feroz na actualidade. O tema das Apps Store.
E o que é isso de App Stores? São basicamente lojas online, onde são disponibilizados pequenos programas ou aplicativos para uso nos telemóveis, sobretudo nos smartphones, e nos notebooks ou portáteis.
A estreia deu-se com a Apple, que já não surpreende com as suas iniciativas a marcar os ciclos de negócio votados ao sucesso. No seu estilo inovador e de aposta na qualidade, em Julho de 2008, a Apple abre uma loja que ao cabo de um mês já era uma referência. A App Store dedicada ao iPhone e iPod conseguiu num mês a venda de 60 milhões de programas. A própria Apple ficou surpreendida com a taxa de adesão às suas propostas.

Limpar armas

Uma série de outras empresas se seguiram e criaram as suas próprias lojas com soluções exclusivas ou de terceiros. Sobre este tema, circula a opinião entre o meio de que a reacção do mercado não foi muito saudável nem é favorável ao consumidor final. Multiplicam-se as app stores que, em vez de constituirem uma alternativa, acabam por copiar a vizinha. A falta de dferenciação, agravada pelo facto de algumas das stores não terem nem tradição nem comunidade de desenvolvimento ou programas originais de raiz, desvirtua o potencial que possa estar assoicado a este tipo de iniciativa.

À medida que a tecnologia evolui para programas cada vez mais simples, fáceis de usar, quase sem necessidade de instalação, e para aplicações que integram outras, verifica-se um crispar de tensão entre as empresas. E a concorrência deixa de ocorrer apenas entre actores do mesmo sector, para se estender a todos os sectores. Se a guerra era em tempos entre a Apple e a Microsoft, enquanto fabricantes de sistema operativo, há já algum tempo que entraram ao barulho os fabricantes de telemóveis e mais recentemente os fornecedores de acesso à Internet. Todos desejam disponibilizar as melhores aplicações, os programas mais ricos em experiências aos seus clientes.

copyright 2009 Gizmodo

Portanto, a tendência será para esta multiplicação das App Stores se verificar nos próximos tempos, mesmo ao nível nacional. E a testemunhá-lo, recebi ainda ontem uma mensagem da Optimus a dar notícia dos serviços da AppStore do Portal Optimus Zone. O mesmo fazem os outras redes de telemóveis, impulsionadas pela nova vaga de aplicações “à la carte”. Veja-se a guerra entre a TMN e a Vodafone pela plataforma Android.

Funcionamento das App Stores

A chave do sucesso destas lojas assenta numa lição antiga e bem sucedida do software livre, que está associada à co-autoria e participação no desenvolvimento de novos programas. A diferença é que tudo se passa debaixo de um novo modelo de negócio, com vantagens para todas as partes, mas em particular para os promotores que nunca conseguiriam tal proeza não fosse o efeito comunidade.

E as três partes interessadas são: promotores da loja, programadores espalhados pelo mundo, consumidores. Os promotores disponibilizam a plataforma, as ferramentas de desenvolvimento e o marketing. Os programadores criam novas aplicações, integram-nas com outras já existentes, estendem o uso de programas a outros dispositivos, combinam aplicativos, resultando daí produtos vedetas que, por excentricidade ou grande pragmatismo, conquistam a atenção e o interesse dos utilizadores. Os clientes visitam frequentemente essas lojas à procura da aplicação que faltava, da que está na moda, ou da que os amigos têm. Frequentam, recomendam e opinam sobre estes aplicativos, mas também os testam e experimentam, propondo melhorias. Além de todo este tráfego gerado, fazem compras e arrastam novos interessados.

E não se substime o poder que os grupos têm no sucesso destes modelos de negócio. Cruzei-me com uma crítica de um utilizador da plataforma AppStore que reclamava desejar saber, quando acede à plataforma, que aplicações os amigos escolheram e quais as que mais gostam. Este efeito de massa explica o sucesso de aplicativos como o iBeer ou o Rolando. O iBeer é uma brincadeira divertida feita com o iPhone. O iPhone transforma-se em copo de cerveja e a pessoa pode simular que bebe. Trata-se de uma brincadeira, um gadget, mas dos mais falados e mais experimentado.

O Rolando, com 700 mil downloads em 3 meses, conheceu grande popularidade e a saga continua. O que é interessante sublinhar é o sucesso do autor, a quem tinham sido fechadas repetidas vezes as portas de empresas de jogos por alegada falta d eexperiência. Na AppStore, não só foi possível criar o jogo como, do êxito alcançado, abrir a sua própria empresa, a HandCircus no Reino Unido. Este jogo marca um registo novo na forma de jogar. Os críticos achavam que sem botões não seria viável o jogo, mas atentem um pouco no vídeo, que desmente essa opinião. Tudo se faz sobre o ecrã sem lançar mão de qualquer botão. Cham-se Rolando porque as criaturas são redondas e rolam, tendo-se que fazer explodir os mauzões para desbloquear as passagens.

Na relação loja-programadores, o processo mais comum é o registo inicial na plataforma, que dá acesso às condições para criar e recriar aplicativos – ferramentas, contactos com a comunidade de programadores e feedback dos utilizadores. Uma vez criado o software, é submetido à aprovação e validação pela empresa promotora da store, sendo escolhido a modalidade para disponibilização aos clientes. Das vendas, o programador fica com 70 ou 80% e o resto é da empresa, responsável pela loja.

A chave para a sustentabilidade

O negócio alimenta-se das vendas, obviamente, das taxas cobradas aos programadores pelo uso da plataforma e das ferramentas profissionais e do imenso tráfego que geram. Também parece óbvio o ganho resultante do crescimento e da visibilidade alcançados num curto espaço de tempo. Em tempo record, as lojas bem sucedidas conseguem uma diversidade de aplicações que tornam o seu produto base mais atractivo, mais interessante e mais vendável. Nenhuma empresa dispõe de tempo útil nem recursos para realizar o mesmo feito.

Loja e programadores dividem os lucros e esperam ter compradores satisfeitos. Sobre a propriedade intelectual das aplicações criadas na plataforma, tudo indica que sejam da empresa, dona da store, embora essa questão merecesse esclarecimentos nos termos de uso.

O sucesso destas stores explica-se pelos preços praticados, gratuitos ou a começar nos $0,99, ultrapassando dificilmente a barreira dos $10. Porém, a RIM tem aplicações com custo de $100. Outro factor de sucesso é a diversidade de aplicativos, embora uma análise recente à AppStore indique que apenas 5% dos programas tem uma base de utilizadores ampla, ou seja, acima dos 100 mil downloads. Um sem número de programas estão esquecidos sem grande possibilidade de uso. De qualquer forma, como lidamos à escala global, um programa bem sucedido representa ganhos enormes.

Condição de base para o sucesso está no uso de normas standard e abertas, pois só desta forma viabilizam a integração entre aplicações e universalizam o seu uso, sem condicionamentos de plataforma ou dispositivo.

Algumas App Stores em análise

Da série de App, dei prioridade às que actuam no cenário global. No levantamento realizado, tentei caracterizar o melhor possível cada projecto e, depois, considerei a oferta dirigida aos consumidores e aos programadores.

Segue o quadro-síntese e uma série de comentários motivados pelos dados recolhidos.

appstores_quadro

É óbvia a semelhança entre os projectos, sendo os mais singulares o do Google e o da Sun. A recente vaga de lançamentos de lojas ocorre um ano depois da proeza da Apple, o que é muito tempo neste sector. Isto só prova que os concorrentes foram apanhados desprevenidos e tardiamente se aperceberam do potencial inerente a este modelo de negócio.

O tamanho do mercado neste negócio é algo bastante sensível e condição de sucesso. Se a Apple conseguiu a projecção, sendo por norma uma comunidade minoritária, quando comparada com outras, imagine-se o efeito que pode vir a desencadear a JavaStore, quando a comunidade de programadores de Java é incomparavelmente maior (crê-se que serão 800 milhões activos). Também existem lojas mais orientadas para o mercado empresarial, caso da Nokia, RIM, Microsoft, enquanto a Apple está muito colada à camada jovem e ao lazer, música e jogos. A Microsoft apresenta o problema de não ser para já cross-platform, ou seja, as aplicações só funcionam em dispositivos Windows. A contrariar esta tendência, a Sun lançou um desafio à Apple, propondo-lhe que alinhasse no desenvolvimento do virtualizador Java para o iPhone, permitindo correr aí programas Java. No entanto, a Apple recusou, provavelmente com medo de perder lucros e de dar aos utilizadores iPhone ou iPod a possibilidade de escolher e migrar para outras plataformas.

O número de downloads exprime bem o patamar de acção destas lojas. No entanto, nem sempre tudo corre bem. No caso da Nokia, o lançamento saldou-se num fracasso, por ter ainda poucas aplicações. Para termos noção do que é aceitável para o público, basta dizer que a Apple tem na sua store 35 mil programas (mas encontrei referências a 50000!) das mais diversas áreas e circunstâncias. É difícil neste universo, um utilizador não encontrar uma que lhe encha as medidas!

Há depois outras situações. Veja-se o exemplo do Windows Mobile Market que se apresentou na abertura com 600 programas, mas que na realidade tudo aponta que disponha de mais de 20000 programas noutras plataformas e parceiros. A Microsoft optou por seleccionar as melhores e não centralizar a totalidade das aplicações na sua store.

Relativamente à oferta dos programas prontos a descarregar e a consumir, há em todas as lojas a modalidade do gratuito e do pago. Os preços são acessíveis de uma maneira geral e estão de acordo com a mais valia dada pelo software que se adquire. Em geral é possível reinstalar o programa as vezes que se desejar ou um número determinado de vezes, mas sempre no tipo de dispositivo para que foi adquirido.

A natureza das aplicações cobre quase sempre o telemóvel e os notebooks/ portáteis, mas há plataforma ssó para mobile e a plataforma JavaStore/ javaWarehouse que quer apostar no mercado do desktop, onde tem menos peso.

Umas últimas linhas para os casos mais especiais e diferenciadores: o Android e o Java. Ambos estão alinhados pela filosofia Open source, tendo o Google criado a Open Handset Alliance que reúne 34 membros (HTC, Motorolla, Google, T-Mobile…) com vista à concretização do projecto, pois são eles o garante de contribuições e consolidação do programa. Num caso e noutro, a plataforma é Linux e a linguagem é Java.

A JavaStore é promissora pelo facto do Java ser muito conhecido e utilizado, tendo sido um impulsionador dos milhares de aplicações que cedo inundaram o campo dos telemóveis. Todavia, a aposta da Sun vai para o campo dos netbooks e portáteis, onde têm pouca representatividade. Aliás, o projecto é ambicioso ao ponto de estabelecer como objectivo a criação e desenvolvimento de aplicações para browser, desktop, telemóvel e TV.

Em próximo post, seleccionarei algumas apps de sucesso do iPhone, as que têm feito furor, mas sobretudo as que podem ser úteis no dia a dia ou que simplesmente assentam em conceitos curiosos.

About these ads

0 Responses to “A vaga das App Stores”



  1. Deixe um comentário

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s





Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

%d bloggers like this: